Seguidores

Obsessão - Por Luiz de Mattos

Limpeza Psíquica
A obsessão resulta do mau uso do livre-arbítrio, da vontade mal-educada, das inclinações sensualistas, do descontrole nos atos cotidianos, do nervosismo desenfreado, dos desejos insuperáveis, da ambição desmedida, do temperamento voluntarioso e, consequentemente, do desconhecimento ou da inobservância dos ensinamentos racionalistas cristãos.

A faculdade do livre-arbítrio, que os seres humanos possuem, representa a prerrogativa de se conduzirem por si mesmos com liberdade e independência.

Ao fazer mau uso do livre-arbítrio, os indivíduos contrariam as leis naturais e imutáveis, que estabelecem normas de vida seguras e apropriadas, e precisam ser respeitadas, a qualquer custo.

É fora de dúvida que, com o raciocínio bem exercitado para a solução dos problemas que se apresentem na vida, tendo sempre em vista o aspecto honrado de todas as questões, os seres humanos podem manter-se na linha da boa conduta, beneficiando-se a si próprios e ao meio em que vivem. Os que se afastam desse caminho o fazem porque querem, porque se deixam enfraquecer, e, onde entra o enfraquecimento moral, entra a atuação dos espíritos do astral inferior (espíritos quedados na atmosfera da terra), que produzem, em pouco tempo, a obsessão.

Limpeza Psíquica
A vontade mal-educada é o resultado da indolência, do pouco caso e da negligência para com as coisas sérias da vida. O indolente deixa de fazer o que deve, esperando que outros o façam por ele; não gosta de horário nem de disciplina; é inimigo do trabalho e da ordem e nada faz pelo progresso, estando, por isso, situado no plano dos parasitas e dos adormecidos. Enquanto o mundo exige atividade e ação, o indolente vê, com indiferença, o que se passa, sem vontade de participar do movimento que reclama a presença de todos.

Ninguém se pode eximir do dever de trabalhar e de procurar no trabalho a satisfação da vida. O Universo inteiro é uma oficina de trabalho permanente, na qual todos precisam ser operários ativos e diligentes. Os que assim não compreendem, ficam à margem da vida, tornando-se indivíduos marginais, como marginais são os espíritos do astral inferior (espíritos quedados na atmosfera da terra), com os quais se associam, pela lei da atração. Logo, a ociosidade é mal que deve ser combatido, energicamente, por meio da educação da vontade.


Nas inclinações sensualistas estão os germes do materialismo obsedante. Elas incluem, como fatores preponderantes, os vícios, a luxúria, o desperdício, os abusos. O ser humano, subjugado por esse estado, dá expansão aos seus instintos, alimento aos desejos desregrados e acolhimento franco aos espíritos do astral inferior, seus afins, que concorrem para obsedá-lo.

Limpeza Psíquica
Os atos cotidianos precisam ser pautados criteriosamente, para refletir o maior bom senso possível. A organização social obedece o esquema cujos traços gerais definem a posição que todos devem adotar no intercâmbio das relações humanas. A esse particular, de especial importância, todos devem estar atentos. Entre as normas de bem viver estão o acatamento e o respeito ao semelhante, na sua natural representação espiritual. Para conseguir esse fim, é preciso haver controle nas atitudes, domínio sobre si mesmo e raciocínio em ação.

Do descontrole em atos e palavras resultam as ofensas, os consequentes remorsos, os ressentimentos que custam a passar e, não raro, as antipatias e inimizades.

Os espíritos do astral inferior (espíritos quedados na atmosfera da terra), gostam de aproveitar-se dos seres descontrolados que pouco ou nada pensam antes de falar e fazer, para rir dos efeitos que suas atuações causam. Daí a razão de os acompanhar, procurando oportunidades para se divertir. Seres descontrolados são, pois, presas fáceis do astral inferior e, mais dia menos dia, podem ser levados à obsessão.

O nervosismo desenfreado produz irritação, intolerância, irreflexão, imprudência ─ males que conduzem a deplorável estado psíquico. É imprescindível que seja combatido por todos os meios, por ser agente de perturbação, pois onde há perturbação não falta campo favorável à atuação de espíritos do astral inferior ─ os maiores responsáveis pelas obsessões. Os maiores ─ entenda-se ─ não os únicos, porque o obsedado tem nelas a sua parte. O neurótico não procura se controlar, e o resultado é cair nas malhas do astral inferior, seguindo o caminho desastrado da obsessão.

Limpeza Psíquica
Desejos insuperáveis são aspirações inatingíveis. Há indivíduos que nunca se contentam com o que têm. Estão sempre queixosos, achando que merecem mais. Sentem-se permanentemente infelizes. Em lugar de alegrar-se com o muito que possuem, lamentam a falta do mais que poderiam ter. Vivem num estado de perene insatisfação. Tornam-se desagradáveis. Julgam-se incompreendidos. Lastimam-se, a propósito de qualquer insignificância.

É perfeitamente racional que o ser humano procure melhorar suas condições de vida, obtendo maiores recursos, melhor bem-estar, situação mais desafogada e capacidade de atendimento a todas as solicitações indispensáveis. Mas, enquanto não alcançar essa situação, há que se conformar, compreendendo que ainda não chegou o momento, e deve tratar de preparar-se melhor ainda, orientando bem os seus pensamentos, as suas atitudes e a sua disposição de progredir cada vez mais, sempre agindo honestamente, para que tudo se resolva a contento.

Já o estado do indivíduo insatisfeito e mal-agradecido que alimenta ideias fantasiosas é deplorável, porque se transforma em um ser revoltado, mal-humorado, desgostoso e inadaptado. Caminha, assim, por estrada perigosa, envolvido em pensamentos afins de espíritos do astral inferior, que lhe sugerem imagens martirizantes e precursoras da obsessão.

Limpeza Psíquica
As aspirações a este planeta podem ser alcançadas nas seguintes. Nenhum espírito deixa de voltar enquanto mantiver aspiração terrena a satisfazer. A lei de atração não falha, e a ela todos estão sujeitos. Se, porém, chegar a compreender, em tempo, que as atrações terrenas são ilusórias e passageiras, e trazem, quase sempre, consequências dolorosas e grande atraso na evolução, por certo acabará por modificar a maneira de sentir e de ambicionar.

A ambição desmedida é, já por si, um estado em que o egoísmo e a egolatria estão presentes. Os indivíduos ambiciosos quanto mais têm mais querem ter, a qualquer custo, e de qualquer forma. Não olham os meios para obter os fins. Usurpam, açambarcam e lesam. Domina-os a ideia obsessiva do ganho rápido, da manobra extorsiva. Para eles, nada de contemplações ou meios-termos: a determinação é avançar. Arquitetam golpes ousados, andando pelas entrelinhas da lei ou pelas suas omissões, o que é mais comum, e não possuem formação moral respeitável.

O mundo está cheio desses tipos, que são a causa do grande desequilíbrio econômico na Terra. Estão divididos em duas grandes massas: uma na Terra, agindo especulativamente, com enorme sagacidade e astúcia, e outra no astral inferior (espíritos quedados na atmosfera da terra), igualmente ativa, formada por todos os espíritos que procediam como os seus atuais parceiros vivos em cotidiana atividade. As duas massas estão intimamente associadas e gozam da mesma volúpia que constitui a sua obsessão.
Limpeza Psíquica

O temperamento voluntarioso reflete o feitio moral egocêntrico dos que entendem que a razão está exclusivamente do seu lado e querem exigir, por isso, que sua vontade seja satisfeita, muito embora interfira nas decisões alheias. São indivíduos que estão sempre em choque com os demais, mesmo que esses choques não se revelem. Nada mais divertido para os espíritos do astral inferior do que presenciar tais choques. Eles os assanham, e andam, por essa razão, à espreita da ocasião propícia para provocá-los. O indivíduo voluntarioso está sempre na sua mira. A cada momento veem ensejo de armar um choque. Na falta de outra ocupação, esta é das mais absorventes para os obsessores. O voluntarioso irrita-se facilmente, despreza o ponto de vista do seu semelhante e quer fazer prevalecer sempre o seu modo de ver, tornando-se um fomentador de contrariedades.

O voluntarioso estriba-se nos seus conhecimentos e quer restringir tudo a eles, desconhecendo que o saber varia de pessoa para pessoa, de acordo com as oportunidades aproveitadas de cada um. Daí a necessidade de haver alguma tolerância na apreciação dos fatos, que o voluntarioso geralmente não tem. Costuma ser radical e, desse modo, sua obsessão se manifesta por ideias fixas, pela irritabilidade e pela maneira, mais ou menos irredutível, de apreciar as questões.

Como facilmente se depreende, a obsessão decorre da falta de esclarecimento espiritual, da ausência de conhecimento do mecanismo da vida, do desconhecimento sobre o que se passa depois do falecimento do corpo físico e de como se deve proceder para bem aproveitar a estada na Terra.
Há formas sutis de obsessão ─ imperceptíveis aos olhos daqueles que não se acham familiarizados com o assunto ─ que se podem desenvolver e levar as pessoas à loucura. É de grande vantagem, por isso, todos se instruírem a respeito da sua manifestação, ainda na fase inicial.

Em face da sutileza com que a obsessão se apresenta, as vítimas não se apercebem dos riscos a que estão expostas e deixam, por isso, de cortar o mal pela raiz, quando ainda estão em condições de fazê-lo. A obsessão vai penetrando lentamente e tomando conta da pessoa. Esta, por sua vez, não lhe dá importância e, quando se vai habituando a aceitar o que o obsessor lhe intui, o domínio deste passa a ser maior, mais rápido e violento.

Todo cuidado é pouco, e somente quando conhece bem a causa e o meio pelo qual se processa a obsessão é que o ser fica em condições de evitá-la e defender-se dela. As atrações apaixonantes são as mais perigosas, porque o indivíduo sente prazer e impulso convidativo muito forte para embrenhar-se nas suas cariciosas malhas. Até os esclarecidos primários se precipitam, às vezes, nesse abismo.

Limpeza Psíquica
O ser humano nunca se deve deixar abater. Sem dúvida, ocorrem, para alguns, abalos morais fortíssimos. Há necessidade, nesses casos, de fazer um esforço muito grande para reagir, dominar-se e vencer a situação. Muitos têm chegado à obsessão, por falta de reação pronta e enérgica. O caso, por vezes, verifica-se com o falecimento de um ente querido: vem o desespero, a inconformação, o descontrole e, finalmente, a perturbação. Por desconhecer a vida espiritual, o ser, naquela dor, suplica pelo espírito que partiu e não está em condições de acudi-lo. Esse espírito procura acalmá-lo, mas não consegue. Aflige-se então, sofre, e, em razão da sua presença constante ao lado do suplicante inconformado com o falecimento, acaba por tornar-se um obsessor do implorador, podendo levá-lo à loucura.

Cumpre ao ser humano, em tais situações, irradiar convictamente para ajudar o espírito a ascender ao seu mundo de estágio evolutivo, onde não sofrerá. Esta orientação é a única cabível para livrá-lo da perturbação que aquele possível obsessor pode produzir.

O Racionalismo Cristão empenha-se em oferecer todos os conhecimentos relacionados com o fenômeno, bastando que as pessoas se interessem por eles e procurem assimilar os ensinamentos. Grande parte da humanidade é vítima da obsessão, por absoluto desconhecimento de como deve proceder para evitá-la ou dominá-la.
Alguns sintomas do estado inicial da obsessão podem ser observados nos seguintes casos:

 1. dar risadas sem motivo ou a pretexto de coisas fúteis;

 2. ter cacoetes;

 3. chorar sem razão;

 4. comer exageradamente;

 5. estar sempre com sono;

 6. sentir prazer na ociosidade;

 7. exteriorizar manias;

 8. ter idéias fixas;

 9. fazer gracinhas tolas;

10. aborrecer, persistentemente, o próximo;

11. repetir, mecanicamente, as mesmas expressões;

12. deixar-se dominar por paixões;

13. ter prevenções descabidas;

14. ser implicante;

15. ser carrancudo, estar sempre mal-humorado;

16. adotar práticas viciosas;

17. gostar de ostentação;

18. ter explosões temperamentais;

19. mistificar, enganar;

20. dizer mentiras;

21. expressar-se licenciosamente;

22. revelar covardia;
Baixe este e outros
livros RC sem custo

23. usar palavrões;

24. demonstrar fanatismo;

25. gesticular e falar sozinho;

26. ser, sistematicamente, importuno;

27. ouvir e ver coisas fantásticas;

28. gastar acima do que pode;

29. ter mania de doença;

30. descuidar-se das obrigações no lar e no trabalho;

31. viver num mundo distante, sonhadoramente;

32. provocar ou alimentar discussões; e

33. abandonar os deveres caseiros e ausentar-se do seio da família.

Os que assim procedem estão a caminho da obsessão ou, pelo menos, revelam grande predisposição para ela. O melhor que têm a fazer, portanto, é corrigir-se, para não continuar a atrair espíritos do astral inferior e a associar-se a eles.
Não é demais repetir que os espíritos do astral inferior (espíritos quedados na atmosfera da terra), são obsessores. A linguagem por eles usada é a do pensamento, e, por isso, os pensamentos das pessoas lhes são perfeitamente conhecidos, podem entrar em contato com qualquer uma, conhecer os seus intentos, e, assim, participar da vida daquelas que lhes fornecerem corrente de atração.

Limpeza Psíquica
A aproximação dos espíritos do astral inferior não só produz obsessão como enfermidades físicas, além de agravar as já existentes. Sabe-se que esses espíritos estão impregnados de miasmas de várias doenças, que passam para os corpos dos enfermos por eles assistidos, agravando-lhes os males.

Até mesmo por higiene mental, ninguém se deve ligar pelo pensamento a desafetos ou outros seres humanos que alimentem sentimentos inferiores e pensamentos indignos, por estarem tais pessoas influenciadas por obsessores.

Pensando neles, as pessoas ligam-se aos espíritos da sua corrente obsessora, ficando sujeitas à assistência do astral inferior. Em decorrência dessa atração, os espíritos obsessores começam a fazer sentir, pouco a pouco, sua influência, que se reflete na aura da vítima, impregnando seu corpo fluídico de substâncias danificadoras, até estabelecerem pleno domínio e ação sobre ela.

Limpeza Psíquica
Perturbado completamente o espírito da vítima, o obsessor toma conta dela, passa a influenciá-la, a intuir-lhe cismas e manias perturbadoras. É assim que se opera a obsessão.

A obsessão dos seres humanos é mais comum do que se calcula, e isto porque, não estando a humanidade devidamente esclarecida, não conhecendo a ação do pensamento e seus efeitos, e ignorando, até mesmo, a existência dos espíritos do astral inferior, que agem com força altamente maléfica, não está em condições de livrar-se das correntes do mal, o que só é possível por meio de uma reação inteligente.

Na grandiosa obra da Inteligência Universal tudo se encadeia num sentido harmonioso. Nas sábias leis que conduzem à perfeição e produzem desde o insignificante grão de areia, o pequenino inseto, o microscópico átomo, aos grandes astros dispersos no infinito, constituindo o Universo, tudo toma o estado preciso ao meio e às correntes fluídicas, para o estabelecimento de uma vida em harmonia com as irrevogáveis leis da natureza.

As leis naturais que regem o Universo, de elevadíssima sabedoria, que surpreendem o ser humano, encerram todos os conhecimentos, decorrem de uma sequência lógica no processo da evolução, confirmam todas as ciências materiais e explicam todos os fenômenos.

No estudo desses princípios, é mister compreender que novas causas, novos efeitos cercam incessantemente o estudioso, envolvendo-o e ligando-o pelo pensamento a todos os seres inteligentes, corpóreos e incorpóreos, transmitindo-lhe por intuição impressões do mundo espiritual, permitindo-lhe sentir melhor as vibrações do bem e do mal.

A obsessão é, pois, sem a mínima dúvida, resultado da ação de pensamentos maus, por meio dos quais são atraídos espíritos do astral inferior (espíritos quedados na atmosfera da terra), que envolvem a pessoa, subjugando-a e impondo-lhe sua vontade. É pelo meio em que vive, por suas fraquezas, por vícios e falta de moral, que se torna ímã de atração dos espíritos inferiores, os quais, por não entenderem a realidade que os cerca ou por perversidade, permanecem na atmosfera fluídica da Terra.

Obsessão
Por Luiz de Mattos

Poderá gostar de conhecer:
 Astral inferior – Por Antão José da Luz

Seguidores

Vale a pena visitar