Seguidores

Frei Jaboatão - 1695-1779 - Agora atuo na Plêiade do Astral Superior

Limpeza Psíquica
Frei Antônio de Santa Maria Jaboatão, (Jaboatam, na grafia da época), foi cronista, genealogista, poeta um dos primeiros e mais importantes historiadores brasileiros do século 18.

Seu nome de batismo era Antônio Coelho Meireles, nasceu na Capitania de Pernambuco, na então chamada freguesia de Santo Amaro do Jaboatão, 1695 – Recife, hoje município da Grande Recife. Era filho do sargento-mor Domingos Coelho de Meireles e Francisca Varela.

Teve aulas de Latim e Humanidades com seu tio paterno, o Padre Agostinho Coelho Meireles, que era o vigário da freguesia entre 1710 e 1715, que exerceu forte influência sobre sua vida futura.
Frade Franciscano, aos 22 anos, professou fé em 12 de dezembro de 1717, entrou para a Ordem dos Franciscanos, no Convento de Santo Antônio do Paraguaçu, estudou filosofia e teologia, ordenando-se em 1725 no convento de Santo Antônio do Paraguaçu, em Salvador na Bahia.
 
Nesse período foi membro da Academia dos Esquecidos, entidade fundada na Bahia em 1724 e extinta menos de um ano depois.

Quando retornou a Pernambuco. Ocupou vários cargos dentro da ordem franciscana. Foi um genealogista, historiador, orador, poeta e cronista brasileiro.
Limpeza Psíquica

Sua principal obra é o Novo Orbe Seráfico Brasílico também chamado de Crônica dos Frades Menores da Província do Brasil, 1761. A segunda parte, com textos inéditos, foi publicada em 1859, pelo Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, com base em manuscritos do autor, examinados e ordenados pelo Conselheiro Diogo Soares da Silva Bivar.

Deixou outras obras, algumas inéditas. Entre as publicadas, todas em Lisboa, estão: Discurso histórico, geográfico, genealógico, político e encomiástico, recitado em a nova celebridade, que dedicaram os pardos de Pernambuco ao santo da sua cor o B. Gonçalo Garcia, 1751;  Sermão de Santo Antonio, em o dia do Corpo de Deus, Lisboa, 1751;  Sermão de S. Pedro Martyr, pregado na matriz do Corpo Santo do Recife, Lisboa, 1751; Sermão da Restauração de Pernambuco do domínio holandês, pregado na Sé de Olinda em 1731, Lisboa, 1752. “Jaboatão Místico” - coletânea de sermões, Lisboa 1758; “Catálogo Genealógico das Famílias Brasileiras”, 1768, que Procedem de Albuquerques e Cavalcantis em Pernambuco e Carumurus na Bahia, de 1768. Impresso, pela primeira vez, pelo Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro em 1889.

Entre suas principais atividades, foi Mestre de Noviços no Convento Igarassu em Pernambuco; também foi professor de filosofia em 1736 e 1737, na Bahia. Foi Guardião (superior religioso do convento) por duas vezes na Paraíba: a primeira, de 1741 a 1742, e a segunda de 1751 a 1753.

Foi Definidor (Conselheiro) no Convento de Santo Antônio do Recife, em 1755 e, e neste mesmo ano nomeado para Cronista mor da Província. Até 1759 pertenceu à Academia Brasílica dos Renascidos, também da Bahia, ano em que foi extinta. Desencarnou em Salvador, Bahia em 07 de julho de 1779 .

Frei Jaboatão como espírito liberto da matéria, em reunião especial, no dia 02 de junho de 1934, contemplou a humanidade com salutares ensinamentos de que devemos viver as duas vidas paralelamente, a material e a espiritual, com a seguinte comunicação doutrinária, explanada na Casa-Chefe do Racionalismo Cristão, Rio de Janeiro entre outras, registrada no livro “Comunicações 1934”, página 04.

“...O desequilíbrio que reina em toda a parte é devido a falta de raciocínio - é motivado por não ligarem importância as coisas sérias da vida.

Limpeza Psíquica
Ninguém se entende, todos querem, todos almejam alguma coisa mas não sabem o que querem nem o que eles próprios são; não procuram distinguir o bem do mal, o falso do verdadeiro, dai o estado confuso em que todos se acham.

Mas vós que sois esclarecidos, não vos podeis nivelar aos ignorantes, tende confiança em, vos próprios, caminhai sempre firmes no pensar e agir, ponde de lado a vaidade porque colhereis a gloria...” por Frei Jaboatão 


Fonte:

Seguidores

Vale a pena visitar